ASTROFÓRUM
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

O homem não foi à lua?

Ir em baixo

spica O homem não foi à lua?

Mensagem  Bruno em Ter 09 Jun 2015, 23:29

Apesar de tudo muitas pessoas ainda não acreditam que o Homem tenha de fato ido à lua. Vejam 12 Argumentos de quem não acredita e tirem suas conclusões:

1 - Quando os astronautas estão colocando a bandeira dos EUA, ela ondula. Mas não há vento na Lua.
2 - Nenhuma estrela é visível nas fotos tiradas pelos astronautas da Apollo da superfície da Lua.
3 - Nenhuma cratera causada por impacto é vista nas fotos tiradas do módulo de aterrissagem lunar.
4 - O módulo de aterrissagem pesa 17 toneladas e mesmo assim pousa sobre areia sem deixar marcas. Perto dele, as pegadas dos astronautas podem ser vistas na areia.
5 - As pegadas na fina camada de poeira lunar, sem umidade ou atmosfera ou forte gravidade, são inesperadamente bem preservadas, como se feitas em areia molhada.
6 - Quando o módulo de aterrissagem decola da superfície da Lua, não há uma chama visível saindo do foguete.
7 - Se for acelerado o filme dos astronautas andando na superfície da Lua, os americanos parecem ter sido filmados na Terra e então colocados em câmera lenta.
8 - Os astronautas não poderiam ter sobrevivido à viagem por causa da exposição à radiação do Cinto de Radiação de Van Allen.
9 - As rochas trazidas da Lua são idênticas às rochas coletadas por cientistas em expedições para a Antártida.
10 - Todas as seis aterrissagens na Lua aconteceram durante a administração Nixon. Nenhum outro líder nacional afirmou ter levado astronautas à Lua, apesar dos 40 anos de rápido desenvolvimento tecnológico.
11 - Com tantos avanços tecnológicos, por que o homem não voltou à Lua mais de 40 anos depois da primeira aterrissagem?
12 - Os astronautas com o traje espacial (só o traje pesa cerca 80Kg - informação da Nasa) andam em pulinhos quase flutuando, mas a areia que eles chutam caem de volta ao chão como em qualquer praia na terra.

Fonte: O globo

Bruno
Moderador
Bruno
Bruno
Membro Expert
Membro Expert

Mensagens : 6521
Data de inscrição : 29/10/2011
Idade : 58

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: O homem não foi à lua?

Mensagem  Marcos Poncio em Qua 10 Jun 2015, 08:11

Bom não nasci nessa época então não sei se saberei responder.

Mas o principal fato é que a Russia e os EUA estavam em corrida pra chegar la, e quando os Americanos pousaram, e não trouxeram nada de útil da lua, a Russia passou a investir na Estação Espacial.
Fora que na época foi transmitido via Rádio para qualquer Radio-Amador ouvir as transmissões.

E hoje em dia com uma câmera boa se você apontar para um céu estrelado já não consegue capturar nenhuma estrela, imagine naquela época.

Sei la, posso ta falando besteira!

Deixe sua opinião ai Bruno Very Happy
Marcos Poncio
Marcos Poncio
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 363
Data de inscrição : 29/12/2014
Localização : Curitiba

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: O homem não foi à lua?

Mensagem  mapsiqueira em Qua 10 Jun 2015, 10:02

Eu acho que posso tentar responder!
Um abraço!  Smile

1 - Ninguém conspira quando meio milhão de pessoas sabem a verdade.
Se você juntar todo mundo que trabalhava na Nasa e nas empresas contratadas para desenvolver as espaçonaves — os astronautas, os engenheiros, os técnicos, os cientistas, os burocratas etc. –, são mais de 400 mil pessoas espalhadas pelos Estados Unidos, livres, leves e soltas. Nosso amigo Snowden já demonstrou como é difícil qualquer governo fazer algo muito controverso e manter isso em segredo por muito tempo. E tenho certeza de que muito menos gente trabalha no Big Brother do Obama do que no mamute que era o programa espacial americano nos anos 1960. Detalhe: esse segredinho teria de ser guardado durante cinco décadas. Até hoje, ninguém envolvido com o Projeto Apollo deu com a língua nos dentes, o que já consiste em evidência concreta de que as missões não foram encenadas.

2 - Os caras trouxeram rochas lunares. Muitas rochas.
As pedras trazidas pelos astronautas do Projeto Apollo foram estudadas por muita gente, no mundo inteiro, inclusive entre os arquirrivais russos. Aliás, eles são os maiores defensores involuntários do sucesso americano, porque também colheram suas amostras lunares, em missões não-tripuladas da série Luna. Se houvesse uma discrepância de composição entre as pedras americanas e as russas, os camaradas certamente gritariam. Aí os teóricos da conspiração rebatem dizendo que as rochas americanas são reais, mas também foram trazidas — secretamente — por missões não-tripuladas. Só que tem um probleminha: é muita pedra. São 382 kg de rochas lunares americanas, contra 326 g das missões russas. O “k” de quilograma aí em cima é sinônimo de “mil vezes mais”.

Para trazer esse monte de coisa lá de cima, os americanos precisariam de uma nave tão grande que… você adivinhou, tão grande que caberiam tranquilamente dois astronautas nela. Então, achar que eles mandaram a nave para lá vazia, magicamente usaram robôs dos anos 1960 (quem sabe iguais àquele da série “Perdidos no Espaço”?) para recolher mais de 50 kg de pedras em cada missão, e trouxeram a nave de volta automaticamente, para depois encenar o envio de astronautas, é, no mínimo, ingenuidade. Para não dizer burrice.

3 - As missões deixaram “espelhinhos”.
O LRRR, experimento que consiste num espelhinho que rebate raios laser, levado pela Apollo 14
Um dos experimentos que os astronautas fizeram foi instalar pequenos dispositivos com espelhos na superfície lunar. Não era por vaidade. O objetivo era medir com precisão milimétrica a distância da Terra à Lua. Um laser disparado daqui chega até lá, é rebatido pelo espelhinho e volta. Contando o tempo de ida e volta (e sabendo qual é a velocidade da luz), eles podem calcular com precisão a distância. Legal, né? E o mais legal é que esses espelhinhos podem ser usados por qualquer um que tiver um laser dos bons (aqueles que apontam para a cara do goleiro no estádio não servem) para refazer o experimento. Será que os camaradas russos não teriam avisado seus colegas ianques de que os espelhinhos estavam com defeito e não rebatiam os lasers vermelhos deles? Ah, claro, os espelhinhos foram colocados lá pelas naves gigantes vazias que levaram os robôs do “Perdidos no Espaço” para colher as rochas lunares.

4 - No espaço, todo mundo ouve você falar pelo rádio.
Os russos monitoravam as comunicações por rádio entre o controle da missão e os astronautas. Dava para ver que as transmissões vinham de onde os americanos diziam que vinham — da Lua. Há até quem alegue que as naves vazias enviadas pelos americanos para fingir que a missão estava rolando transmitiam diálogos gravados automaticamente, para enganar a turma do outro lado da cortina de ferro. Pode ser. Mas, de novo, era mais fácil mandar os astronautas até a Lua para valer do que combinar todas essas encenações ao mesmo tempo.

5 - Tem fotos de satélite dos cacarecos deixados pelos astronautas.
Algumas das imagens mais bacanas da sonda americana Lunar Reconnaissance Orbiter, lançada pela Nasa em 2009, mostram os sítios de pouso das missões Apollo. É possível ver o que sobrou do módulo de pouso e dos instrumentos, assim como as trilhas deixadas pelos jipes usados pelos americanos nas últimas missões. Até mesmo os caminhos de rato deixados pelos astronautas ao caminhar sobre a Lua são vísiveis, e há agora evidência de que Buzz Aldrin estava certo ao reportar que a vibração causada pela decolagem da Eagle (Módulo Lunar da Apollo 11) provavelmente derrubou a bandeira americana fincada ali pelos astronautas. Então, para descartar essas novas evidências, os fãs da conspiração apontam que a LRO é americana, e nenhuma sonda de outro país obteve imagens similares. Os cientistas americanos de hoje estariam só seguindo a tradição de seus predecessores e mantendo a farsa em pé. Certo. O que ninguém responde é porque nenhum outro país (Rússia ou China adorariam embarcar nessa) projetou um satélite com o propósito expresso de desmascarar os americanos. Não seria tão difícil para quem pousou jipinhos não-tripulados na Lua nos anos 1960, caso da antiga União Soviética. A resposta é: ninguém fez isso porque seria uma imensa perda de tempo.

6 - O Japão confirma
A missão japonesa Kaguya (também conhecida como Selene), em 2008, produziu imagens bacanérrimas do solo lunar. Infelizmente, as câmeras não tinham resolução suficiente para detectar objetos deixados pelos voos tripulados, mas produziram uma excelente reconstrução tridimensional do sítio de pouso da missão Apollo 15, de 1971. Compare a imagem obtida pela Jaxa (agência espacial japonesa) com uma foto feita pelos astronautas. Como explicar uma réplica tão precisa do solo lunar se tudo não passou de gravação em estúdio?

7 - A Índia confirma
“Ah, mas os japoneses são tradicionais aliados dos Estados Unidos desde a reconstrução do país após a Segunda Guerra Mundial. Eles fazem parte da conspiração”, alegam os mais disparatados. OK, a próxima parada é a Índia. A missão Chandrayaan-1, lançada em 2008, foi motivo de orgulho para os indianos: a primeira espaçonave daquele país a orbitar a Lua. A sonda, a exemplo de sua colega japonesa, não tinha câmeras com resolução suficiente para enxergar hardware no solo lunar, mas eles confirmaram uma antiga desconfiança dos americanos: que os jatos propulsores do módulo lunar da Apollo 15 alteraram a superfície, deixando-a mais clara. (Aliás, uma das velhas acusações dos conspiracionistas é de que os retrofoguetes misteriosamente não deixaram marcas no solo. Bem, aí está a prova de que, ao menos em uma das alunissagens, deixaram.)

8 - A China confirma
“Ah, mas essas imagens indianas borradas podem ser qualquer coisa. É óbvio que os cientistas daquele país foram pagos para dizer que viram as marcas do foguete da Apollo 15 no solo”, atacam novamente os conspiracionistas. Bem, então vamos ao maior rival espacial dos Estados Unidos na atualidade: a China. Os chineses andam felizes da vida por esses dias pilotando seu jipe robótico na Lua, mas em 2007 e 2010 eles lançaram duas naves orbitadoras para mapear o solo lunar: Chang’e-1 e Chang’e-2. A segunda dessas sondas conseguiu o que indianos e japoneses não puderam fazer: detectar sinais diretos das caminhadas americanas sobre a Lua. Ou, pelo menos é o que disse Yan Jun, cientista-chefe de aplicações do projeto de exploração lunar chinês. Infelizmente os chineses tratam suas imagens com mais pudor e não divulgaram os dados pertinentes. Eu contatei Mu Lingli, responsável pela organização do atlas lunar produzido pela Chang’e-2 e ele me disse que por ora a China está divulgando online apenas as imagens que mostram 50 metros por pixel. As fotografias obtidas pela Chang’e-2 que poderiam revelar sinais das naves Apollo têm resolução de 1,5 metro por pixel, mas não estão disponíveis. O que só mostra o quanto os chineses não estão a fim de fazer propaganda americana, embora admitam que seus rivais estiveram mesmo por lá.

9 - Os russos confirmam e tentaram chegar primeiro
Se e admissão dos rivais atuais não é suficiente, que tal a dos antigos? Os russos monitoraram cuidadosamente todas as missões Apollo, não só ouvindo as comunicações, mas observando a posição das naves em órbita por radar e calculando sua posição. Em nenhum momento tiveram qualquer dúvida de que os americanos haviam estado na Lua. Não só porque viram acontecer, mas principalmente porque estava preparando suas próprias missões lunares. Um dos boatos espalhados pelos conspiracionistas é de que uma viagem à Lua era impossível pois uma travessia dos cinturões de radiação que envolvem a Terra (descobertos pelo americano James van Allen, a propósito) levaria à morte dos astronautas. Por isso, segundo eles, os soviéticos jamais tentaram a viagem. Mentira deslavada. Hoje temos informações completas do programa lunar soviético, como este diagrama de seu módulo de pouso, chamado L3. Note a figura do cosmonauta dentro dele. Menos capaz que o modelo americano, ele só podia levar um tripulante.

10 - O mundo inteiro confirma
As naves Apollo foram monitoradas não só por redes de radiotelescópios na Espanha e na Austrália — que forneciam apoio direto às missões viabilizando comunicações quando as naves não podiam ser contatadas diretamente do território americano –, mas por astrônomos amadores de todas as partes do globo. É comum hoje em dia esses apaixonados por astronáutica monitorarem satélites em órbita e até mesmo calcularem sua altitude e inclinação. Um caso dramático foi o da sonda russa Fobos-Grunt, lançada em 2011, que deveria ter partido para Marte, mas falhou. Diversos observadores em solo ajudaram a determinar que ela nunca deixou a órbita terrestre, uma vez que ela nunca chegou a entrar em contato com o controle da missão. A imagem abaixo mostra a separação da Apollo 14 do terceiro estágio do foguete Saturn V, fotografada pelo Observatório Corralitos, da Universidade Northwestern, nos EUA. A pluma imensa é o jato de exaustão do foguete. A nave é o pontinho branco na ponta da pluma.

A essa altura, a nave já estava numa rota translunar. Imagens como essa foram registradas em todas as missões Apollo, por astrônomos amadores e profissionais em todas as partes do mundo. Com o equipamento certo, é possível monitorar uma nave a caminho da Lua, quando ela reflete a luz solar e se torna brilhante. Não são imagens espetaculares, é verdade. Mas estamos discutindo provas, não estética.

A verdade é que os teóricos da conspiração precisam expor seus motivos quando falam das missões Apollo. Esses críticos vêm principalmente em dois sabores: aqueles que querem desacreditar as viagens à Lua porque fazem oposição ideológica aos Estados Unidos (nada contra criticar os americanos, mas desconfio que a crítica só é legítima se for baseada em fatos reais, não?), e aqueles que por razões religiosas acreditam ser impossível que seres humanos pisem sobre a Lua (talvez um resquício da filosofia aristotélica segundo a qual há uma divisão clara entre o céu, perfeito e imutável, e a terra, imperfeita e sujeita a transformações). Seja qual for a categoria, em sua fé cega, eles parecem mais aqueles comentaristas esportivos que querem brigar com as imagens da TV para dizer que foi pênalti quando o replay mostra que os jogadores envolvidos nem se tocaram.

Fontes:
http://mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br/2013/08/23/cinco-provas-da-ida-do-homem-a-lua/
http://mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br/2014/01/15/mais-cinco-provas-da-ida-do-homem-a-lua/
http://super.abril.com.br/tecnologia/a-viagem-do-homem-a-lua-foi-uma-farsa
http://www.tecmundo.com.br/astronomia/15663-o-homem-foi-ou-nao-a-lua-.htm
mapsiqueira
mapsiqueira
Aspirante
Aspirante

Mensagens : 29
Data de inscrição : 26/01/2015
Idade : 39
Localização : São Paulo

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: O homem não foi à lua?

Mensagem  Marcos Poncio em Qua 10 Jun 2015, 10:29

kkkkk

FInish Him!!!
Marcos Poncio
Marcos Poncio
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 363
Data de inscrição : 29/12/2014
Localização : Curitiba

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: O homem não foi à lua?

Mensagem  Bruno em Sex 25 Set 2015, 21:40

Imagens obtidas pela sonda LRO em 1971, e que mostram os estágios de descida de duas  das missões Apollo que pousaram na Lua:

O homem não foi à lua? Images?q=tbn:ANd9GcTuEv1izIvNENqJ3yNQBJg1EoeUPu4AWSKD7jI9YoYFjLo6yjLl

O homem não foi à lua? Images?q=tbn:ANd9GcTqEZORuzQmCkDssSWhh_xujHGmDxwL1uklfocIJW2aumUFjkrC

O homem não foi à lua? Images?q=tbn:ANd9GcQ3W0DuHkfdoiSi13TMAZ7EfoE6gj9rCzRBsIneba32agbYcoCi

Bruno
Moderador
Bruno
Bruno
Membro Expert
Membro Expert

Mensagens : 6521
Data de inscrição : 29/10/2011
Idade : 58

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: O homem não foi à lua?

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum