Fotografando formações Lunares

Página 13 de 13 Anterior  1, 2, 3 ... 11, 12, 13

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Qui 25 Dez 2014, 23:36

A grande cratera Petavius é uma das crateras mais impressionantes e interessantes sobre a nossa Lua. Sofre grandes mudanças de aparência conforme o sol nasce e vai alterando seu curso em cada lunação (órbita em torno da Terra). A cratera tem 182 quilômetros de diâmetro e cerca de 2,1 quilômetros de profundidade. Os picos centrais tem mais de um quilômetro de altura.
As paredes do Petavius são anormalmente grandes em relação ao diâmetro da cratera apresentando uma borda dupla nas laterais leste e oeste. A parede leste sobe cerca de 11.000 pés. A cratera parece oval em vez de redonda, vista da Terra, mas isto é uma ilusão devido à sua proximidade com o leste (nascente) lunar.
A idade exata do impacto que formou Petavius é incerta, mas a cratera é considerada ter sido formado durante idade geológica Imbrium da Lua, ou em torno de 3,2-3,8 bilhões de anos atrás.
Uma das características mais proeminentes sobre Petavius é Rimae Petavius, uma fratura de aproximadamente 50 quilômetros de extensão, em linha reta correndo dos picos centrais a parede sudoeste da cratera.
Petavius esta localizada em 25,28 ° S, 60,63 ° E, é de uma classe incomum de crateras que foram modificados por processos de pós-impacto.
Qual o processo que poderia ter produzido o sistema de fraturas que cortam o chão desta cratera? Vulcanismo é a causa provável. Existem pequenas manchas de basalto no Norte e no Sul no chão da cratera, que ajudam a cimentar essa hipótese. Mas ao contrário de outras crateras que foram totalmente preenchidas por derrame de basalto, Petavius tem apenas pequenas manchas.
Então por que Petavius acabou com tão um extenso sistema de fraturas?
Uma hipótese é a de que as fraturas ocorreram como resultado de modificação vulcânica que elevou o chão da cratera, isto ocorreria se o magma se intrometeu por baixo do chão e empurrou o piso para cima.
Mas porque Petavius não foi inundado completamente e por que as fraturas nunca foram cobertas por basalto.
É possível que Petavius não presenciou o mesmo estilo de erupção como em outros lugares na Lua. Ou talvez o magma por baixo Petavius cratera não era líquido o bastante para inundar completamente a superfície. Finalmente, pode ser simplesmente que a região de fonte do magma era relativamente pequena, e assim apenas uma quantidade modesta de basalto eclodiu.
Enfim cabe aos colegas analisarem a foto postada e procurarem entender o processo descrito acima, se quiserem observar uma pequena região em altíssima resolução deixo aqui um link para acessarem as imagens do LROC.
Fonte: The Astronomical Society de Palm Beachs
Lunar Pioneer/ LROC
Adaptação: Avaní Soares
http://www.astrobin.com/full/142776/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sex 26 Dez 2014, 16:45

Langrenus (132 km de largura e com uma profundidade máxima de 4,9 km) é apenas mais um cratera de impacto do estilo Copernicus, ou assim parece. Parede envolta em terraços,  possuindo um complexo pico central e piso em parte plano, Langrenus é o Copernicus do Leste. Originalmente se pensava ser da  idade de Copérnico por causa de seus raios fracos, porem a contagem de crateras mostra que é de um período anterior chamado Eratosthenian. Também tem sido descrita como sendo o maior cratera formada nos última 3,2 bilhões de anos por, Hausen  tem 167 km de diâmetro e é também do período Eratosthenian.
Então o que resta para o pobre Langrenus?
Bem, ela é uma de apenas sete crateras conhecidas por terem troctolite dentro de seus picos centrais. Troctolite é um tipo de rocha highlands combinando partes iguais de olivina e plagioclásio. Ela se forma quando o magma rico em magnésio esfria, provavelmente perto da parte inferior da crosta lunar.
O segundo aspecto incomum de Langrenus é que é o site de um dos eventos transitórios lunares (TLP) melhor documentados. O experiente astrônomo francês Audouin Dollfus descobriu que o chão ao norte de Langrenus se animou temporariamente quando visto em luz polarizada em 30 de dezembro de 1992, e 02 de janeiro de 1993. Dollfus interpretou que as áreas polarizadas brilhantes foram produzidas pela liberação de gases que levantaram poeira acima do chão da cratera. Esta é uma observação peculiar, mas bem documentada, e é sabido que há concentrações de gas radônio em Langrenus e nas proximidades de Mare  Fecunditatis detectado durante as missões Apollo 15 e 16. Talvez o facto de os picos centrais de Langrenus terem se formado de camadas profundas da crosta lunar tenha alguma ligação à desgaseificação proposta. Algum flares multipolarimétrico adicionais ocorreram desde 1973.
Alguém olhou? Isto agora esta  ao alcance das câmaras nossas câmeras para ser registrado!
Fonte: LROC/NASA - LPOD/Charles Wood
Adaptação: Avani Soares
http://www.astrobin.com/full/142961/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Bruno em Dom 28 Dez 2014, 13:07

Astroavani escreveu:O experiente astrônomo francês Audouin Dollfus descobriu que o chão ao norte de Langrenus se animou temporariamente quando visto em luz polarizada em 30 de dezembro de 1992, e 02 de janeiro de 1993. Dollfus interpretou que as áreas polarizadas brilhantes foram produzidas pela liberação de gases que levantaram poeira acima do chão da cratera. Esta é uma observação peculiar, mas bem documentada, e é sabido que há concentrações de gas radônio em Langrenus
Bem lembrado Avani, inclusive em relação à presença do Radônio 222 em Langrenus, ainda resta uma questão importante que é a de que não temos como afirmar acertadamente de onde veio esse gás, se do regolito (a camada superficial finamente granulada que recobre a lua), se de fontes profundas no interior da lua ou ainda se devido a agentes externos à sua superfície.
Luminescências e fluorescências já foram observadas nessa cratera durante o perigeu.
Sabemos que em alguns átomos que se encontram nas camadas mais externas do regolito podem ser excitados pelas radiações cósmicas incidentes, emitindo assim uma radiação secundária com comprimentos de ondas característicos desses átomos. Esta radiação secundária poderia então dar origem a variações de brilhos detectados em determinadas regiões na superfície lunar.
Essa emissão secundária de radiação nos permite uma análise química da superfície lunar, e que serve para indicar os teores de alumínio para as rochas montanhosas, e os teores de magnésio para os basaltos nos mares.
Mesmo assim as classificações lunares podem sofrem distorções pois uma área situada a leste da cratera Ptolomeus é rica tanto em alumínio como em magnésio, contrariando as concentrações destes elementos nas rochas lunares que são geralmente correlacionadas de maneira inversa.

Bruno
Moderador
avatar
Bruno
Membro Expert
Membro Expert

Mensagens : 6521
Data de inscrição : 29/10/2011
Idade : 55

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Dom 28 Dez 2014, 22:52

Excelentes colocações Bruno!
Se me permite vou incluí-las na minha página do Face Book.
Abraço!
Avani.

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Bruno em Dom 28 Dez 2014, 23:08

Nem precisava pedir Avani, nós é que te pedimos que continue a nos brindar com as suas astrofotos e colocações, e que são uma verdadeira aula sobre a lua, esse nosso planeta irmão!

Bruno
Moderador
avatar
Bruno
Membro Expert
Membro Expert

Mensagens : 6521
Data de inscrição : 29/10/2011
Idade : 55

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Seg 29 Dez 2014, 01:27

Gassendi (114 km.), é provavelmente uma das  mais antigas crateras da Lua.
É uma magnífica cratera, que domina o norte de Mare Humorum . Grande parte da cratera se sobrepõe ao norte de Mare Humorum, onde fica mais estreita e a parede sul de Gassendi está quase submersa.
O piso de Gassendi é um complexo de montanhas, serras e valas. O grupo de três grandes montanhas centrais, é cercado por Rimae Gassendi, que corta a maior parte do chão da cratera, especialmente no leste dos picos centrais. O Rilles mais importantes (valas), são a partir do leste do pico mais alto central, e inclina-se para a parede oriental da cratera. Entre esses sulcos são vistos duas crateras pequenas, mas notáveis ​​que estão junto a eles. Os principais sulcos de Rimae Gassendi abrangem mais de 300 km.

Gassendi é um sitio cientificamente interessante porque oferece na Lua a possibilidade de amostragem de rochas muito antigas nas montanhas (no pico central da cratera), bem como pode fornecer as idades, tanto para bacia de impacto Humorum como da própria cratera Gassendi. No entanto porque o terreno  da cratera perto aos picos é bastante rústico,  a tripulação da Apolo 17 não desembarcou nesta região, por que seria muito difícil chegar aos picos centrais de Gassendi para amostragem. Gassendi foi considerado como um dos três locais potenciais para a missão Apollo 17, que, eventualmente, tocou terra no vale Taurus-Littrow.

A idade da cratera Gassendi é estimada em cerca de 3,6 mil milhões de anos (com um erro de mais ou menos 700 milhões ano).

Quando observada através da análise espectroscópica a cratera Gassendi apresenta um "comportamento" muito diferente de qualquer outra cratera lunar (Mikhail 1979). Estudos de alta resolução realizados à luz de infravermelho próximo (Chevrel e Pinet 1990, 1992) indicou a presença de material vulcânico extrusivo (que é material vulcânico que flui para fora da superfície e, em seguida, cristalizando-se) limitado à parte sul do andar de Gassendi, que é adjacente à Mare Humorum.

A interpretação desses dados sugeriram que a parte central da cratera, incluindo o complexo do pico, podem ter uma natureza mais 'mafic' (que é uma composição de rochas provenientes de solidificação do magma que são ricos  em silicatos de ferro e de magnésio, tais como olivina e piroxênio), com um componente de piroxênio maior do que os planaltos vizinhos.

A interpretação dos dados também sugerem que grande vulcanismo extrusivo pode ter ocorrido dentro da porção oriental do chão, o que também é indicado pela presença significativa de piroxênio, que corresponde a características vulcânicas visíveis.

A diferença entre o lado ocidental e oriental de Gassendi devido ao chão fraturado da cratera pode estrar fortemente ligado à história térmica precoce do Mare Humorum.

A cratera tem o nome de Pierre Gassendi (1592-1655), filósofo francês, cientista e matemático. Em 1631, Gassendi se tornou a primeira pessoa a observar o trânsito de um planeta do outro lado do Sol, vendo o trânsito de Mercúrio, que Kepler havia previsto.

Gassendi A (33 km), é uma cratera com bordas afiadas, está sobreposta no extremo norte de Gassendi. Um cume sul desta cratera, encontra-se no chão de Gassendi, causando um proeminente sombra indicada pela seta na foto em anexo.
Fonte: ESA/ Agencia Espacial Européia
           LUPU VICTOR/ Astronomia
Adaptação: Avani Soares
http://www.astrobin.com/full/143685/0/


Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Seg 05 Jan 2015, 19:44

Cauchy, uma rica região!
Através das planícies norte-oriental do Mar da Tranquilidade, a mais de 500 km do local de pouso do Apolo 11, encontram-se duas rachaduras magníficas e quase paralelas na superfície da Lua, ambas tem mais de 200 km de comprimento.
Rupes e Rima Cauchy (escarpa Cauchy e rille) são assim nomeados devido a brilhante cratera de impacto Cauchy com 14 Km de diametro que se encontra entre eles. Ambos os recursos foram formados após o esfriamento dos fluxos de lava enormes que formaram o mar.
Como a crosta da Terra, a crosta da Lua é capaz de ser deformada por tensões. Em alguns mares lunares, há exemplos de rugas que surgiram como resultado de deformação da crosta da Lua sob pressão. Mas além de um certo grau crítico de compressão ou tensão nas rochas, ocorre uma falha, dando origem a escarpas de falha, sulcos e rilles. Algumas falhas podem ser muito profundas, como o chamado Muro Reto (Rupes Recta) em Mare Nubium.
A área de Cauchy é um dos lugares mais fascinantes da Lua. Ela inclui uma das poucas grandes falhas lunares, um rille e nas proximidades uma alta concentração de cúpulas.
Na foto em anexo eu contei 16 cúpulas - quantas você consegue contar nesta mesma imagem maravilhosa?
Algumas das cúpulas hemisféricas são tampadas, outras tem um clássico poço central, a maioria, como Cauchy Omega na extrema direita - tem cimeiras achatadas, e Cauchy Tau (à esquerda da Omega) tem uma superfície irregular, com um pequeno pico.
Rupes Cauchy é em parte rille, em parte escarpa, e parece um pouco mais complicado do que a escarpa limpa de Rupes Recta ou o rille de corte cinzel da Rima Cauchy. Rupes Cauchy começa no oeste em um par de craterlets pequenas ovais (visíveis em um refletor de 150 milímetros ou maiores) e várias crateras maiores encontram-se ao longo de seu comprimento. Rupes Cauchy se estende para o leste para se reunir com a fronteira do Mar da Tranquilidade onde há montanhas irregulares, e não há provas de que ele atravessa as montanhas para se reunir com a pequena cratera arruinada Lawrence.
Porque tantas crateras se encontram ao longo do Rupes Cauchy?
Muitos dos rilles da Lua parecem ser composto (pelo menos em parte) por craterlets ou cadeias de crateras alongadas. Em alguns casos o falhamento original pode ter instigado ataques frescos de atividade vulcânica que produziram pequenas aberturas vulcânicas ao longo da fissura. Há ou houve certamente uma boa dose de atividade vulcânica na região, muitos são os Domes vulcânicos como já citados acima.

A cratera Cauchy é facilmente visível em binóculos como um ponto brilhante em altas iluminações. Rupes e Rima Cauchy, juntamente com as duas cúpulas próximas, são visíveis em um refrator 60 mm, quando eles estão posicionados perto do terminador em baixas ângulos de iluminação. Ao nascer do sol lunar Rupes Cauchy (como Rupes Recta) lança uma sombra escura sobre a planície, a leste. Ao pôr do sol o recurso aparece como uma linha brilhante. A cúpula Cauchy Omega vai exigir pelo menos um reflector 150 milímetros em alta ampliação em boas condições de visão. Esta região fascinante tem muito a nos mostrar, basta apenas aber o que olhar!
Fonte: LPOD / Charles Wood
MoonWatch / Peter Grego
Adaptação e complementação: Avani Avaní Soares
http://www.astrobin.com/full/146172/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Seg 05 Jan 2015, 19:52

Um Dome próximo a Copernicus?
Copernicus é uma cratera pra lá de batida para quem faz astrofotografia lunar. Eu logicamente não fico fora deste grupo, porem o que realmente me chamou atenção nesta foto é a pequena saliência no canto inferior direito.
Apesar de pesquisar em diversos locais não achei nada que se refira aquilo como um Dome, nada consta nas pesquisas que fiz, porem isto não quer dizer nada pois o nº de Domes que vem sendo relacionados na Lua está crescendo quase diariamente principalmente através das pesquisas de Raffaello Lena e equipe (unardomeatlas.blogspot.it).
Para quem se interessar pelo assunto e na remota hipótese de querer se dedicar a isto temos aqui uma ótima referência do que precisa para observar e como fazer uma observação proveitosa: http://www.amlunsoc.org/lunar_domes.htm
Aos colegas que tem interesse peço dar atenção a este local nas suas próximas fotos, coisa que logicamente estarei de olho!
Texto: Avaní Soares
http://www.astrobin.com/full/145151/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sex 09 Jan 2015, 22:33

Gauss, uma cratera difícil de capturar!
Esta não é uma das minhas melhores imagens, mas certamente é uma foto inédita sob vários aspectos.
Para começar é a primeira vez que fotografo Gauss em bom angulo, pois é uma cratera que situa-se no limbo leste, na zona de libração, então nem sempre se encontra numa posição favorável.
Por tudo que pesquisei não se encontra muitas fotos dela, achei apenas 3 em close no LPOD (https://translate.googleusercontent.com/translate_c…) (https://translate.googleusercontent.com/translate_c…) e o que me chamou atenção foi que em nenhuma delas qualquer Rima ou Rille é visível sendo que o próprio Charles Woods falava que da Terra era impossível ver ou mesmo fotografar qualquer Rima.
Pois bem, creio que esta foto provou o contrário já que diversas Rimas são visíveis.
Gauss é uma grande cratera circular de 182 Km de diâmetro, pertence ao grupo das crateras FFC (Floor Fractured Crater) ou seja, crateras de chão fraturado como bem podemos perceber na imagem WAC obtida pela sonda LROC em anexo.
É uma cratera bastante interessante com diversos picos que se sobressaíram bem nesta foto devido ao baixo angulo de iluminação, eles não são picos centrais nem parecem ser um anel interno de picos. Seriam eles os restos de uma cratera interior que submergiu ao fluxo de lava?
Alem das Rimas Gauss possui pelo menos 3 depósitos pyroclasticos sendo assim um triste fato uma cratera tão rica em formações se situar numa posição tão pouco privilegiado.
Fonte: LROC/NASA
LPOD/ Charles Wood
Adaptação e texto: Avaní Soares
http://www.astrobin.com/full/147035/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Bruno em Sex 09 Jan 2015, 23:16

Astroavani escreveu:É uma cratera bastante interessante com diversos picos que se sobressaíram bem nesta foto devido ao baixo angulo de iluminação, eles não são picos centrais nem parecem ser um anel interno de picos. Seriam eles os restos de uma cratera interior que submergiu ao fluxo de lava?

pelo menos 3 depósitos pyroclasticos

uma cratera tão rica em formações se situar numa posição tão pouco privilegiado.

Boa foto Avani, e quanto a pelo menos 3 depósitos pyroclasticos dá até para arriscar a dizer algo sobre pelo menos 2 depósitos, olhando para a inundação de basalto no interior da cratera ou seja, os depósitos de queda de escórias no qual os piroclastos de composições basálticas possuem cones de escórias, e os depósitos de queda por piroclastos derivados de erupções distribuídas por centenas de quilômetros quadrados para longe da fonte, e que poderiam ter quase inundado por completo a suposta cratera interior.
Interessante também como alguns depósitos pyroclasticos se concentram em áreas de difícil observação.

Bruno
Moderador
avatar
Bruno
Membro Expert
Membro Expert

Mensagens : 6521
Data de inscrição : 29/10/2011
Idade : 55

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Ter 13 Jan 2015, 22:14

A Região de Arago e seus Dome surpreendentes!
Localizada a Oeste do Mare Tranquillitatis (quando vista das latitudes do hemisfério sul), a cratera Arago (27.0 km de diâmetro e 1800 m de profundidade) é bem conhecida e sua região foi repetidamente fotografada ao longo dos anos sob várias condições de iluminação.
Esse particular interesse é devido a duas compactas estruturas vulcânicas relativamente grandes (20.0km) e fáceis de encontrar, as cúpulas ou domos: Arago Alfa (ao Norte) e Arago Beta (a Oeste) dessa cratera.
A escala e resolução dessa bela imagem revelam as complexidades das cúpulas de Arago Alpha e Beta e também a existência de outras cúpulas menores já comprovadas (circuladas em amarelo); outras à espera de comprovação (circuladas em verde) e uma outra suspeita no interior da própria cratera Arago (circulada em azul). Arago Beta tem uma base de formato redondo com uma depressão (cratera) em seu lado norte. No lado oeste (à esquerda) da cúpula há um outro lóbulo arredondado, como uma pequena cúpula companheira. Uma cúpula menor semelhante ocorre no lado norte de Arago Alpha, porem um pouco mais longe como uma estrutura separada. Alpha também é visto como tendo dois picos pequenos mas íngremes perto de seu centro e uma depressão alongada que se estende para o Norte.
Entre Arago Alpha e a cratera Maclear há três cúpulas com aproximadamente o mesmo tamanho das cúpulas ao lado de Alpha e Beta, e no canto NE mais três formações menores que também parecem ser cúpulas. É interessante notar que todas as cúpulas nesta área são semelhantes umas as outras, mas diferentes das cúpulas hemisféricas clássicas, próximas de Hortênsius, e em outros lugares na Lua. Especula-se que talvez a morfologia das cúpulas esteja relacionada com os tipos de basaltos e outros elementos presentes em sua composição.
Ainda na foto anexo há um amplo e longo cume entre Arago D e E (assinalado com uma seta) que seria chamado de cúpula, se não fosse seu formato alongado.
A foto é muito rica em formações e podemos notar facilmente os pequenos riles ao sul da cratera Arago. Também podem ser vistos com riqueza de detalhes as Rimae Sosígenes e a parte que adentra o Mare Tranquilitatis da Rima Ariadaeus.
Existem duas crateras raras nesta foto, Ritter e Sabine, pois pertencem ao grupo das crateras concêntricas, ié, aquelas que apresentam anéis visíveis de uma segunda cratera com o mesmo centro em seu interior. Outra cratera de destaque é a fantasma Lamont, que foi inunda pela lava do Mare Tranquillitatis.
A grande escala da imagem, sua alta resolução e o baixo ângulo de iluminação solar parecem ser as chaves para a descoberta de novos artefatos geológicos nas regiões dos mares lunares.
Texto e localização das formações: Rosely Gregio
Adaptação: Avani Soares
Fontes pesquisadas:
Kapral, C. and Garfinkle R. 2005. GLR Lunar Domes Catalog
GLR. 2008+(?). Consolidated Catalog of Lunar Domes.
- Chuck Wood
http://www.astrobin.com/full/148205/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sex 16 Jan 2015, 21:47

Humboldt, Uma cratera espetacular em um local desfavorável!
A Lua é um belo exemplo de um planeta rochoso - e é um que praticamente não está sendo alterado por forças geológicas. A maioria dos acidentes geográficos lunares datam dos primórdios do nosso sistema solar: olhar para a Lua é como você olhar muito para trás no tempo. Vamos examinar uma formação antiga e enorme que seria famosa, se estivesse localizada num local mais fácil de ver.
Humboldt (período Imbriam, 3,8 a 3,2 bilhões de anos atrás) é uma das maiores crateras ( 207 km de diâmetro) com um sistema maciço central bem definido e ainda exposto, outras crateras desse tamanho, como Clavius, tem seu sistemas Maciço Central enterrado. O núcleo central é considerado como representante de uma elevação de 10% do diâmetro da cratera, de modo que este pico central pode ter sido formado de material escavado a partir de mais de 20 km de profundidade da crosta lunar!
Provocativamente situada no limbo oriental, Humboldt apenas da dicas para os observadores terrestres das maravilhas que ela contém. Com seus 207 km de diâmetro, Humboldt se aproxima do tamanho de transição em que as grandes crateras assumem algumas das características morfológicas das bacias de impacto. Humboldt é também uma das maiores crateras de chão fraturado (FFC), modificadas pela intrusão e vazamento de magma para a superfície. O piso presumivelmente erguido é formado por rilles (ver foto Apollo em anexo) e diques que levaram a lava à superfície. Em quatro lugares erupções piroclásticas depositaram material cinza escuro ao longo da borda no chão.
Uma cratera concêntrica (ver foto Apollo 15) absolutamente perfeita, 6,7 km de largura, tem duas crateras normais vizinhas. Todos essas três crateras são ligeiramente levantadas e suas paredes interiores são muito semelhantes. Devido ao fato de um dos vizinhos ser um pouco menor e o outro ligeiramente maior do que a cratera concêntrica parece razoável especular que a cratera concêntrica tem exatamente o diâmetro e profundidade certos para interagir com as camadas do piso e construir de alguma forma o anel interno. Mas o anel interno parece arredondado - como uma rosquinha, não como um rim normal de cratera de impacto - por isso talvez seja algum tipo de depósito vulcânico. Na realidade o mecanismo de formação destas crateras concêntricas ainda não foi bem explicado e espera por uma resposta.
Esta cratera concentrica é um dos meus próximos alvos quando espero em uma libração e ângulo de iluminação favorável conseguir fotografá-la.
Fonte: Whitepeak Observatory, Tacoma, WA
LPOD - Charles Wood
Wikipedia - Humboldt Crater
Sydney Observatory - Nick Lomb
Texto e adaptação: Avani Soares
http://www.astrobin.com/full/148912/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  PauloM em Sab 17 Jan 2015, 01:08


Caramba, que fotos lindas.

As explicações então?

Ótimo conhecimento.
avatar
PauloM
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 456
Data de inscrição : 28/12/2014
Idade : 29
Localização : Feira de Santana / Salvador - BA

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Valdés em Sab 17 Jan 2015, 17:47

Bela foto, o interessante saber que cada impacto, cada formação tem uma história. Todo esse conhecimento é fascinante.

Valdés
Aspirante
Aspirante

Mensagens : 17
Data de inscrição : 07/01/2015
Idade : 21
Localização : Euclides da Cunha - BA

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sex 06 Fev 2015, 03:12

Desta vez ao invés de postar a foto com a descrição por aqui, gostaria que os colegas me dessem a honra de visitar e site do BLPOD onde ela se encontra publicada:
https://blpod.wikispaces.com/6+de+Fevereiro+de+2015+-+A+Inc…

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Dom 05 Abr 2015, 21:19

O COMPLEXO LUNAR DOME MONS RÜMKER
O complexo vulcânico lunar Mons Rümker (às vezes soletrado "Rumker") situa-se na
parte noroeste da Oceanus Procellarum, tem um diâmetro de cerca de 65 km e altitude máxima em torno de 1,1 Km acima da superfície circundante, é o maior edifício vulcânico conhecido na Lua, um imenso domo de origem vulcânica, composto por um agrupamento coeso de domos, ou seja, um complexo de sobreposições de domos menores, a maioria com encostas baixas e alguns poucos mais íngremes e por isto apresenta-se como uma formação discreta.
Calcula-se que o volume estimado de lava para criar Mons Rümker foi cerca de 1.800 km³.
Conforme estudos atuais é composto de uma série de sobreposições de fluxos de lava. Mons Rümker é alinhado com o planalto Aristarco e o Marius Hills ao longo do eixo de Oceanus Procellarum. Várias cúpulas individuais podem ser distinguidas no planalto.
Rümker é a única cúpula com o nome de uma cratera. Rümker enganou os selenógrafos, que no século 19 pensaram que era uma cratera em ruínas.

Cúpulas lunares são ondulações suaves entre 3 e 20 km de largura, e, no máximo 1 km de altura. Podem ser de várias formas e tamanhos, mas as mais comuns são de forma hemisférica com um perfil baixo. A maioria tem muito baixo ângulo de inclinação e, são, a melhor evidência de atividade vulcânica na lua. Muitos têm uma pequena cratera central no pico, que ocorre após o término do fluxo de magma com conseqüente colapso caindo para dentro . Domes sem uma cratera pico ainda são de origem vulcânica, mas parecem ter tido sua abertura central coberta com lava.

A observação de cúpulas lunares é uma atividade desafiadora que exige dedicação e tempo acoplado a boas condições de observação. A maioria das cúpulas não pode ser observada quando longe do terminador. Como sua distância do terminador perde contraste e começa a misturar-se com o terreno local e para todos os efeitos práticos da cúpula desaparece de vista. Pelas razões mencionadas, a maioria dos autores recomendam que as observações das cúpulas deve ser realizada perto do terminador lunar, onde a altitude solar não exceda 4-5 graus. Outros observadores sugerem 8 graus de altitude solar como o mínimo, mas notadamente entre 4-5 graus de altitude solar, as cúpulas menores, cúpulas de perfil baixo e detalhes da superfície de cúpulas maiores tornam-se bem visíveis. Há apenas algumas cúpulas que podem suportar altas altitudes solares sem desaparecer em suas áreas locais.

Equipamentos e técnicas de observação.
Mesmo um pequeno telescópio refrator de 3" irá mostrar as cúpulas maiores na lua, mas para um trabalho mais sério um refrator de nada menos do que 4" ou um refletor, não inferior a 6 " é necessário. Outro item que é quase indispensável é uma boa montagem equatorial que pode fornecer acompanhamento constante. Devido ao fato de que cúpulas são objetos difíceis de observar, geralmente é necessário o uso de altas potências no telescópio. Isto impede o uso de um telescópio conduzido na mão para observações prolongadas. Com um bom e bem colimado 8" montado em uma equatorial resistente pode-se fazer observações e registros excelentes. Colimação da óptica deve ser enfatizada para se ter uma imagem clara e boa que é primordial a fim de proporcionar ao observador a capacidade de capturar aquelas cúpula evasivas, especialmente quando as condições atmosféricas não são perfeitas, que irá acontecer a maior parte do tempo. Recomenda-se sempre que possível o uso de alta potência. Em boas condições de visão não há nenhuma razão para que boas ópticas não podem ser empurradas para realizar o seu máximo. Aumentos da ordem de 200 a 300X são desejáveis, filtros também podem ser utilizados, mas não são um requisito fundamental.. Também é importante mencionar que a observação eficaz das cúpula não pode ser realizada com a lua demasiado baixa, perto do horizonte. Uma altitude mínima de 45 graus do horizonte é geralmente necessário para reduzir os efeitos atmosféricos. Um bom seeing é também importante embora algumas das cúpulas maiores podem ser observados com alguma turbulência.

Fonte: LPOD - Charles Wood
VTOL - Vaz Tolentino Observatório Lunar
THE ALS LUNAR DOME SECTION - Guido Santacana and Eric Douglas - American Lunar Society
JOURNAL OF GEOPHYSICAL RESEARCH, VOL. 11 - Bruce A. Campbell, B. R. Hawke, and Donald B. Campbell

Pesquisa e adaptação: Avani Soares
http://www.astrobin.com/full/170061/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Copernicus e Erathostenes em duas visões

Mensagem  Conrado Serodio em Sex 29 Maio 2015, 00:26

Acho sempre interessante (quando possivel) registrar as formações lunares com um campo mais amplo e em maior aproximação.
avatar
Conrado Serodio
Aspirante
Aspirante

Mensagens : 48
Data de inscrição : 04/08/2012
Idade : 63
Localização : Santana de Parnaiba SP

http://www.conradoserodio.multiply.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 13 de 13 Anterior  1, 2, 3 ... 11, 12, 13

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum