Fotografando formações Lunares

Página 11 de 13 Anterior  1, 2, 3 ... 10, 11, 12, 13  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sab 15 Fev 2014, 12:48

Vallis Rheita
Imagine ser baleado por uma metralhadora que expele balas de 1-2 km de diâmetro! Eu não sei se o calibre seria este. Mas isto foi mais ou menos o que aconteceu nesta área a nordeste da cratera Janssen. O bólido que deu origem a formação da Bacia do Mare Nectaris escavou um buraco profundo e as pedras retiradas foram jogadas para fora como pó, pedras que eram pequenas montanhas. Algumas destas montanhas podem ter chegado a esta área durante o seu curto vôo, deixando uma série de pedaços ao longo do caminho. Ou, talvez, uma massa de material pré-existente foi fraturado e expulso como um fluxo de peças previamente adjacentes da crosta. Em ambos os casos uma série de pequenas montanhas caiu do céu, criando as crateras sobrepostas do Vale do Rheita.
A imagem de baixa luz feita por mim, maravilhosamente captura quatro ou cinco membros da cadeia secundária entre a crateras Rheita (71 km, superior direito) e Young (51 km, centro-direita). Rheita se sobrepõe parcialmente a cratera principal na cadeia, que é mais degradada do que as outras, e também tem uma frente arredondada que sempre faz com que se pareça a uma cobra.
Fonte: LPOD (http://lpod.wikispaces.com/August+16%2C+2013)
Empilhamento de 106 frames no AS!2
Processamento Photofiltre e Irfan

E para coroar este trabalho segue mais um LPOD na coleção: http://lpod.wikispaces.com/February+15%2C+2014


Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Bruno em Sab 15 Fev 2014, 13:18

Astroavani escreveu:
E para coroar este trabalho segue mais um LPOD na coleção: http://lpod.wikispaces.com/February+15%2C+2014
Falou tudo Avani, você está com uma bela coleção de LPODs, e baseado no seu impressionante registro fica o questionamento de Chuck Wood sobre mais um mistério lunar ou seja: porquê as cadeias de bacias de grande porte não são muito visíveis no Mare Imbrium, uma vez que ele foi formado mais recentemente do que o Mare Nectaris?
Bruno
Moderador
avatar
Bruno
Membro Expert
Membro Expert

Mensagens : 6521
Data de inscrição : 29/10/2011
Idade : 55

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Seg 17 Fev 2014, 19:32

Uma libração favorável!
Novamente tive a sorte de pegar uma libração favorável próxima ao polo sul lunar. Nela se destaca principalmente Hale, uma cratera muito difícil de ser vista bem como Demonax, Boussingault, Helmholtz, Neumayer e Boguslawsky.
O evento de Libração se deve ao não perfeito sincronismo do movimento de rotação e revolução da Lua que permite observarmos em torno de 9 % da face lunar (a zona limítrofe da face oculta) oposta a Terra, a qual é invisível quando observamos a Lua de nossa posição na Terra. A libração acontece devido ao deslocamento (oscilação), real ou aparente, dos eixos lunares em relação às suas posições médias. Conseqüentemente este ''cambalear'' da Lua nos permite ver 59% de sua superfície em determinados momentos. Estes momentos de libração máxima que se alternam entre Libração Norte, Sul, Leste e Oeste, seja em latitude seja em longitude, nos oferece uma interessante oportunidade para fazer observações e imagens dessas regiões lunares ainda desconhecidas para a maioria de nós.
Fonte: Guia de observação Lunar - Rosely Gregio - REA/Brasil
Adaptação: Avani Soares
Empilhamento de 187 frames no AS!2
Processamento no Photofiltre e Irfan
Mosaico de 3 fotos com o programa iMerge
http://www.astrobin.com/full/78576/0/


Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sab 08 Mar 2014, 01:09

Um novo complexo Vulcânico?
A origem de muitos recursos nos mares lunares permanece ambígua. Cratera ou cone vulcânico? Fluxo de lava ou feição tectônica? Desde que os mares são geralmente mais velhos que 3 bilhões de anos, existem pequenos recursos que estão desgastadas e arredondadas devido ao bombardeio de meteoritos. Assim, o seu verdadeiro modo de origem não é fácil de discernir.
Na foto anexo o sul corresponde ao centro embaixo e pode ali ser visto parte de Palus Putredinis, para o norte acima podemos ver as crateras Autolycus e Aristillus. As linhas amarelas demarcam uma formação interessante na forma de um morro com uma cratera no centro (ver foto ampliada obtida pela sonda LROC/NASA no canto de baixo a direita) O morro fica a cerca de 250 m acima da planície circundante e tem uma inclinação de cerca de 8 °. A inclinação é mais acentuada do que o esperado para um baixo escudo basáltico e mais consistente para um cone vulcânico e o fato da cratera estar centrada na cúpula realmente sugere que o recurso pode ser um cone vulcânico.
O agrupamento de colinas visto exatamente por onde passa a linha amarela inferior foi originalmente mapeado como Formação Fra Mauro e usando o Quick Map (http://lroc.sese.asu.edu/news/uploads/LROCiotw/M117494941_M117488146ano.png) para uma vista mais detalhada podemos ver que nesta região existem várias colinas que têm crateras perto de sua cúpula ou são simétricas em forma, ambos os atributos que sugerem uma origem vulcânica. Em outros lugares na Lua, há campos de respiradouros vulcânicos que parecem semelhantes a estes. Podemos assim então concluir que este pode ser um complexo vulcânico que ainda não foi reconhecido.
Fonte: LROC/NASA
Adaptação: Avani Soares
http://www.astrobin.com/full/82266/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sab 08 Mar 2014, 18:14

Um Clavius Impressionante!
Você acha que conhece um lugar até você vê-lo com iluminação diferente ou maior resolução. Neste caso em seguida novos recursos ou formações começam a aparecer. Se o Sol fosse mais baixo nesta foto feita por mim, todo o interior de Clavius ​​seria apenas escuridão. Aqui apenas as bordas de Rutherfurd e Porter captam a luz, assim como Clavius C e D que são as maiores crateras no chão de Clavius. Uma característica que eu desconhecia é a rampa suave, quase como uma cúpula, contra a parede norte de Clavius ​​D (indicada pela seta amarela). Este recurso não se mostra em vistas com o Sol em maior altura , mas uma vez conhecido pode ser vislumbrado em boas imagens com iluminações intermediárias. Acho que é apenas uma grande área do aro erguida, mas parece mais extensa do que isso.
As vistas mais espectaculares da Lua são ao longo do terminador, testemunhar esta imagem de Clavius ​​capturada sob estas condições de iluminação realmente me causa uma emoção indescritível!
http://www.astrobin.com/full/82394/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Qui 22 Maio 2014, 00:19

Pitatus e Hesiodus A
Nesta foto podemos ver duas crateras não muito conhecidas da maioria dos observadores lunares, porem são crateras muito interessantes por possuírem características que as destacam da maioria das crateras lunares.
Pitatus (no centro da foto) é uma cratera de chão fraturado. A maioria das crateras lunares são crateras de impacto pequenas e simples. Mas para algumas crateras a morfologia de impacto é modificada por atividades relacionadas a vulcanismo. Atlas, Petavius e Gassendi são exemplos clássicos, Pitatus também é uma cratera deste tipo e segundo o excelente "Guia de Observação Lunar" de autoria da nossa colega Rosely Gregio está enquadrada na classe VI que pertence as crateras que possuem as fraturas margeando a borda interna de seu aro montanhoso.
Hesíodus (centro a esquerda) é um dos exemplos mais marcantes na Lua de cratera concêntrica.
Crateras concêntricas são crateras uma no interior da outra e que tem o mesmo centro, no caso Hesiodus A é uma cratera de apenas 15 Km de diâmetro sendo que a cratera dentro dela é ainda menor e por isto não facilmente visível por instrumentos de pequeno porte.
Espero que este pequeno texto chame atenção dos colegas para a riqueza incrível que se encontra presente na morfologia lunar bastando para isto termos o cuidado de dar a devida atenção ao nosso belo satélite!
Fonte: Guia de observação Lunar - Rosely Gregio - REA/Brasil
Adaptação: Avani Soares

http://www.astrobin.com/full/97406/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  alemão do espaço em Qui 22 Maio 2014, 08:01

Mas vem cá tchê...
Tu foi na Lua tirar essa foto? Parece que foi tirada a uns 50 metros de distância da Lua.
Brincadeiras à parte, parabéns pela foto! Realmente a nossa Lua é muito interessante mesmo.
Uma das coisas que eu mais gosto é de sair ali no pátio, apontar meu telescópio pra Lua e ficar
observando cada detalhe e se possível tirar muitas fotos. É muito legal mesmo.
Mais uma vez, parabéns pela bela foto!
avatar
alemão do espaço
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 111
Data de inscrição : 02/03/2014
Idade : 36
Localização : Gravataí - RS

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Bruno em Qui 22 Maio 2014, 08:35

Olhando essas fotos do Avani com a QHY, dá a sensação de que vou acabar batendo com a cara na superfície lunar!
Bruno
Moderador
avatar
Bruno
Membro Expert
Membro Expert

Mensagens : 6521
Data de inscrição : 29/10/2011
Idade : 55

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Dom 08 Jun 2014, 02:17

Depois de quase uma semana de tempo encoberto e chovendo, as nuvens se dissiparam inesperadamente. Não tive dúvidas, abri o observatório e mesmo sem esperar o C14 aclimatar saí fazendo fotos.
Foi a primeira foto decente com o novo telescópio, mas isto não serve como atestado de qualidade pois como bem diz meu amigo Darío Pires;
"Foto da Lua até espelho de barbearia consegue fazer!"
Mas para ser honesto eu nunca tinha feito uma foto de Tycho deste tamanho que saisse boa.
http://www.astrobin.com/full/100457/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sab 14 Jun 2014, 16:06

Uma Visão marcante de Gassendi!
Gassendi é uma das grandes carateras lunares, com seus 114 Km de diâmetro é uma cratera antiga que se formou no período Nectarian a cerca de 3,92 bilhões de anos atrás.
Ela é uma gigantesca cratera com interior fraturado (FFC), ou como as vezes são chamadas crateras de casco de tartaruga. A Gassendi é uma cratera de impacto que foi modificada pela ação vulcânica depois de sua formação, que fez com que ela se tornasse bem rasa em comparação com seu o diâmetro – somente com 2.8 km de profundidade. As fraturas em seu interior se devem mais provavelmente à formação do anel do Mare Humorum e à lava do mar que preencheu a cratera se erguendo dentro da Gassendi, preenchendo a cratera de dentro para fora e fazendo com que o seu interior nascesse com fraturas de tensão dos reservatórios de lava. Existem alguns interessantes canais entrelaçados fora da parede sul que corre através do Mare Humorum. Existem também alguns pequenos domos na região sul do anel. No centro da cratera existe um aglomerados de picos centrais que uma vez chegaram a ser considerados como local de pouso da missão Apollo 17. Esse local foi considerado durante o planejamento da missão pois as rochas dali poderiam ser usadas para datar a bacia Humorum e a cratera de impacto Gassendi. Na época também se cogitou em colocar uma sonda sobre o Mare Orientale na luz do dia, pela primeira vez durante uma missão Apollo. Mas a rugosidade do terreno da Gassendi pareceu muito arriscada para ser o local da última missão do projeto Apollo.
Fonte: Cienctec/LPOD
Adaptação: Avani Soares
http://www.astrobin.com/full/102003/0/
Para quem quiser se aprofundar no assunto, tem um texto em PDF de autoria do nosso colega José Augustoni que pode ser visualizado aqui:
http://www.rea-brasil.org/lunar/boletimlunar_outubro2007.pdf

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sab 14 Jun 2014, 16:12

Uma vista impressionante de Sinus Iridum!
http://www.astrobin.com/full/101141/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sab 28 Jun 2014, 23:40

Uma Região rica em Domes!
Creio ser esta uma das regiões lunares onde pode ser encontrado o maior número de Domes por Km². Nesta foto indiquei apenas alguns mais facilmente visíveis, mas o total de Domes nesta área deve chegar facilmente a casa da centena e para encontrar mais alguns basta olhar com calma.
Dome (Domo / Cúpula) – Formação de origem vulcânica geralmente não muito altas com uma ou mais covas no topo, mas nem sempre elas estão presentes. Localizam-se geralmente próximo a bordas de Maria. A melhor região para tentar encontra essas cúpulas e próximo a zona do terminador e quando o Sol está baixo no horizonte lunar. Instrumentos de maiores diâmetros são recomendados para sua observação.
Quando o tempo do vulcanismo em larga escala diminuíu, aberturas vulcânicas menores deram lugar a uma variedade de diferentes formações ou colinas baixas e
arredondadas chamadas de “cúpulas” tipicamente tem alguns cem metros de altura e uma bases de vários quilômetros; elas são restos de antigos vulcões lunares, e as minúsculas craterletas de seus ápices representam aberturas vulcânicas. Algumas dessas cúpulas podem ter sido construídas pelo acumulo de lava, (enquanto esfriava) que estourou e fluiu por alguma abertura.
A Oeste de Copernicus pode ser encontrada a localização dos melhores domos vulcânicos da Lua. Um grupo de seis deles estão localizados a
norte da cratera Hortensius (círculo na foto) e outro grupo ao redor de 12 cúpulas ao norte da cratera Milichius .
Erupções intermitentes de cinza vulcânica e depósitos de material piroclástico produziram cones vulcânicos íngreme. A lava de baixa viscosidade, apertada por aberturas vulcânicas muito estreitas, pode produzir fontes de fogo, e sucessivas erupções explosivas são capazes de construindo cones vulcânicos totalmente
íngremes.
Fonte: Guia de Observação Lunar - Rosely Gregio - REA/Brasil
Adaptação: Avaní Soares
http://www.astrobin.com/full/104366/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Ter 22 Jul 2014, 21:11

Domes próximos a Petavius!
Esta é uma região com vários domes de difícil visualização, o único dome realmente visível nesta foto é Petavius P1, os demais indicados pelos círculos não podem ser vistos diretamente.
Dome: Petavius 1
Longitude: 60.40°
Latitude: -26.80°
Diameter [km]: 19.8 ± 0.5
Heigth [m]: 240 ± 25
Slope[°]: 1.4 ± 0.2
Petavius 1, com a sua inclinação moderada de 1,4 ° ± 0,2 °, grande diâmetro de 19,8 km ± 0.5 km, edifício de grande volume 19 quilômetros cúbicos, pertence à classe C1 das cúpulas lunares efusivas. A cúpula é formada de lava de viscosidade moderada e ao longo de um período de tempo de 1,4 bilhões de anos. Vista sob ângulos altos de elevação solar revela duas regiões escuras no fundo da cratera, que são interpretadas como depósitos piroclásticos (sistemas LPDs). Possivelmente esta região sofreu uma fase efusiva e uma fase explosiva subseqüente de vulcanismo.
Fonte: Lunar Dome Atlas - Raffaello Lena e outros.
Adaptação: Avaní Soares
http://www.astrobin.com/full/108276/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Ter 22 Jul 2014, 21:15


Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Bruno em Ter 22 Jul 2014, 22:12

Olá Avani, deixa que eu comento essa esplêndida tomada do polo sul lunar. As crateras de maior destaque como Moretus, Gruemberger, Manzinus e Curtius descendo do sul para o sudoeste, e Simpelius e Schomberger subindo mais acima em direção ao extremo sul.  Essa astrofoto me fez lembrar daquelas tiradas pelos astronautas desde os módulos de comando das missões Apollo, mostrando a região crivada de crateras com os contornos irregulares do limbo a perderem de vista no lado oculto.
Bruno
Moderador
avatar
Bruno
Membro Expert
Membro Expert

Mensagens : 6521
Data de inscrição : 29/10/2011
Idade : 55

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  alemão do espaço em Ter 22 Jul 2014, 22:48

Cara é impressionante a qualidade dessa foto (dessa e de todas as outras do Avani).
A gente olha pra foto e fica com a sensação de que ele mora ha 1 ou 2 quadras da Lua.

Parabéns pela foto!
avatar
alemão do espaço
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 111
Data de inscrição : 02/03/2014
Idade : 36
Localização : Gravataí - RS

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Lucas87 em Ter 22 Jul 2014, 23:56

Olá Avani, tens alguma ideia de qual o diâmetro da menor cratera que você registrou nesta imagem?
avatar
Lucas87
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 619
Data de inscrição : 15/08/2012
Idade : 19
Localização : São José, SC

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Qua 23 Jul 2014, 14:59

Olá Lucas!

Um 14" permite uma resolução em torno de 150 a 200 m para as menores crateras que seriam registradas mas como o seeing reduz muito a resolução real para algo em trono de 2 seg/arc eu calculo que as menores crateras registradas medem em torno de 500 a 600 metros.
Avani.

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Lucas87 em Qua 23 Jul 2014, 15:25

Muito interessante, incrível a imagem!
avatar
Lucas87
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 619
Data de inscrição : 15/08/2012
Idade : 19
Localização : São José, SC

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sab 01 Nov 2014, 20:11

O Trio maravilhoso do centro da Lua!

Apesar de um calor beirando os 37ºC as imagens obtidas na noite de hoje me surpreenderam. Ceratmente foi uma das melhores fotos que já fiz até hoje do trio famoso.
Quando vejo Theophilus Cyrilus e Catharina bem posicionados em relação ao terminadouro sempre gasto alguns frames.
Por que essa região atrai tanto o interesse de observadores? Talvez porque ela inclui a segunda melhor colocada grande cratera do lado visível da Lua (depois da um pouco menor Copernicus). Isso significa que o interior da Cratera Teophilus é claramente visível, com seu assoalho largo e plano e com massivas montanhas centrais. Alguns terraços desordenados podem ocorrer com a vieira da parte oeste da parede e um bloco escorregado triangular (similar a um encontrada na Cratera Platão), onde a formação do anel encontrou menor resistência para se expandir no interior da Cratera Cyrillus. O exterior da Cratera Theophilus é melhor do que o da Cratera Copernicus em relação a mostrar piscinas de material derretido – vistos em frente da cratera. A segunda razão que faz dessa área um dos alvos prediletos é que existem ali três crateras a Teophilus, a Cyrilus e a Catharina. Essas três crateras possuem aproximadamente 100 quilômetros de diâmetro e ilustram os estágios de degradação. Para a cratera Cyrilus, pode ser imediatamente subsequente a da Cratera Theophilus. A Cratera Catharina tem sido modificada por uma grande cratera dentro dela, preenchida por material que provavelmente inclui materiais ejetado da Bacia Imbrium. Talvez existam razões adicionais para fazer dessa uma área favorita para observação, um mar, uma bacia inundada, cortada por terras altas.
Além de tudo isto situam-se numa localização privilegiada quase no centro do disco lunar sendo de facil observação!
Fonte: LPOD/Cienctec
Adaptação: Avaní Soares
http://www.astrobin.com/full/132713/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sab 01 Nov 2014, 20:13

Muitas Rimae numa só foto
Rima , Rimae (Canal) ou Rille para alguns selenogistas (vale estreito) – Fissura ou canal de lava que desmoronou total ou parcialmente.
Ex.: Rima G Bond
A Rimae (plural de rima) Posidonius é composta de uma dúzia de ou mais de consideráveis rilles lineares que se entrelaçam.
Algum rilles são lineares ou encurvados, causado por tensão ou falha na
crosta. Outros rilles são sinuosos que são acreditados terem sido formados por rápido movimento de fluxo de lava. Rilles sinuoso se originam de aberturas vulcânicas e rampas desmoronadas.
Dorsa, Dorsum, Ridge (Cumes de Ruga) - Todas as maria lunares exibem peculiares cumes baixos sinuosos conhecidos como “rugas de cumes’’ (Wrinkle Ridges).” Estas formações, tecnicamente conhecidas como “Dorsa”, tem, em média, de alguns poucos metros a dezenas de metros de altura e alguns quilômetros de largura, e como tal só é visível a um ângulo de iluminação solar muito abaixo quando eles lançam sombras sobre seus ambientes. Os cumes de ruga são da mesma cor do terreno ao redor deles, e eles não podem ser discernidos sob um Sol alto sobre o horizonte lunar. Alguns cumes de ruga apresentam cumes isolados, como também parecem indicar
a presença de antigas crateras completamente enterradas, como Lamont no Mare Tranquilitatis.
Outras rugas localizadas perto das maria limita e parece se estender de baías semi-circulares e marca a presença da parede submergida de uma cratera e, em alguns casos sua elevação central – por ex.: Letronne na borda do Oceanus Procellarum . Estas formações de rugas de cume provavelmente foram formadas quando as superfícies das maria recém formadas se contraíram e comprimiram, pressionando a superfície. Vários cumes de maria são restos de antigos fluxos de lava. Numerosos exemplos podem ser visto também no Mare Serenitatis como é o caso da Dorsa Smirnov na foto anexa.
Fonte: Guia de Observação Lunar - Rosely Gregio - REA/Brasil
Adaptação: Avani Soares
http://www.astrobin.com/full/132921/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sab 01 Nov 2014, 20:16

Polo Sul Lunar!
Foto da minha região favorita. Sou obcecado por Moretus, é definitivamente uma de minhas crateras preferidas, mas o que me chamou atenção nesta foto foi Curtius (no canto inferior esquerdo semi cortada) pois nunca havia reparado naquela profusão de Rimae que aparece com nitidez descendo pelo seu paredão em direção ao piso.
Esta foto foi feita totalmente sem grandes pretensões e no final me surpreendeu pois as condições para obtê-la eram extremamente adversas.
Havia uma camada fina de nuvens prejudicando a transparência, um vento muito forte que balançava com frequência o C14, muita turbulência nas altas camadas e usei um aumento relativamente exagerado para as condições.
Fui obrigado a empregar um Filtro IR Pass para reduzir a turbulência mas a camada fina de nuvens roubou boa parte das radiações no IR pois sabe-se que elas são fortemente absorvidas pela presença de vapor d'água na atmosfera. Assim sendo fui obrigado a elevar muito o ganho gerando em consequência um alto ruído.
Apesar de tudo a foto me agradou e meu maior desejo é repeti-la um dia em condições mais favoráveis.
http://www.astrobin.com/full/125359/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sab 01 Nov 2014, 20:18

A cratera Clavius é a terceira maior cratera visível no lado visível. Ela está localizada na montanhas ao sul da Lua, ao sul da cratera Tycho.
Devido a seu grande tamanho, Clavius podem ser detectados a olho nu. Clavius é um das mais antigas formações na superfície da lua, foi formada durante o período de Nectarian (-3 850 a -3 920 milhões anos).
Ela tem uma parede externa relativamente suave em comparação ao seu tamanho que eleva-se a 3500 metros acima do solo circundante, já o piso fica ao mesmo nível do solo o que faz com que muitos naõ a considerem cratera e sim uma planície murada. Esta cratera de 30 000 quilômetros quadrados, foi muito alvejada por outras pequenas crateras de impacto mais jovens.
Se você estivesse no centro de Clavius, você não iria ver as paredes das bordas por causa da curvatura da lua.
A imagem abaixo mostra de forma espetacular a cratera Clavius em um angulo de iluminação solar bastante favorável que evidencia de forma notável a maioria dos seus acidentes.
Mas vamos deixar Clavius de lado e nos ater em Rutherfurd?
Rutherfurd foi nesta foto registrada de forma bastante detalhada também e no seu piso podem ser vistos inúmeros pedregulhos que são uma de suas características marcantes.
Muitas pedras se encontram na parte inferior das encostas íngremes no chão da cratera Rutherfurd (45 km de diâmetro). Muito provavelmente foram desalojados por terremotos causados por impactos nas proximidades e elas simplesmente rolaram para o chão. Diversas imagens da LROC têm mostrado a importância de pedras que rolam de lugares altos, pois elas oferecem exploradores a oportunidade de analisar o material que esta acima sem escalar montanhas. No entanto, muitas imagens da LROC demonstraram que pedras são comumente encontrados no alto de elevações topográficas, tanto em pequenos montes como em grandes montanhas. Elas certamente não rolaram a esses pontos altos - como elas chegaram lá? O que elas podem nos dizer sobre a geologia da cratera?
Estes pedregulhos podem ser os restos de fusão do impacto que ocorreu temporariamente sobre um alto monte no chão da cratera. À medida que o derreteu e endureceu formou uma casca fina, frágil, que mais tarde foi quebrada por terremotos ou pequenos impactos.
Pedregulhos também pode ser encontrada por si sem fonte aparente, e de todos os tamanhos. Não importa a sua origem ou do tamanho, eles serão úteis para futuros astronautas quando eles explorarem a Lua.
A cratera Rutherfurd tem uma incrível variedade de características geológicas veja a imagem inteira NAC e aprecie toda esta diversidade de detalhes.
Fonte: LPOD - LROC/NASA - Astronoo
Adaptação e foto: Avani Soares

Outubro, 03-2014; 23:38 UT
C14 Edge + Qhy 5L color + Powermate 2X + IR Pass 742
Empilhamento de apenas 100 frames no AS!2
http://www.astrobin.com/full/126321/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sab 01 Nov 2014, 20:19

Crateras Lunares e seus belos Picos Centrais!
Nessa montagem a idéia foi evidenciar alguns dos mais belos picos centrais de crateras bem conhecidas.
Eu procurei dar uma atenção especial ao processar para justamente procurar captar possíveis detalhes nestes picos em detrimento do processamento da cratera como um todo.
Todos nós sabemos que ao filmar uma cratera que tenha seu pico central fortemente iluminado pelo Sol a chance deste ficar superexposto é bastante grande e mesmo as vezes é um defeito quase impossível de ser corrigido a não ser que as regiões em volta fiquem extremamente escuras.
Neste processamento eu fiz uma tentativa aparentemente bem sucedida de deixar tanto os picos centrais como as regiões a sua folta numa luminosidade agradável.
Espero que os colegas apreciem e possam extrair detalhes destas jóias aparentemente relegadas a segundo plano.
Todas as fotos foram feitas usando exatamente o mesmo setup e configuração portanto os tamanhos relativos são proporcionais.

Outubro, 03-2014
C14 Edge + Qhy 5L + Powermate 2X + Filtro IR Pass
http://www.astrobin.com/full/125590/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Fotografando formações Lunares

Mensagem  Astroavani em Sab 01 Nov 2014, 20:21

O Fascinante Mare Crisium
O Mare Crisium é um dos locais mais fáceis de se identificar na Lua. Ele é grande e por si só, não é conectado a nenhum outro mar. Ele na verdade, possui pouco interesse observacional em seu interior a não ser pelas crateras listadas na foto anexa. Mas ao redor do Mare Crisium existem crateras fascinantes de serem observadas, começando com a cratera com parede brilhante Proclus à direita. Com a iluminação da imagem acima, somente uma das suas zonas definidas por raios pode ser vista, além de uns raios um pouco mais apagados depositados no Mare Crisium. A Proclus é uma cratera bem jovem, mas sem data ainda definida, gerada por um impacto oblíquo. Na borda esquerda da imagem acima está uma fascinante cratera com desafios severos para os observadores e para aqueles que desejam fazer uma imagem dela. Crateras com pequenos halos escuros e canais estreitos estão no interior mas são visíveis somente em outras imagens. A melhor oportunidade de se observar a cratera de halo escuro é provavelmente na Lua Cheia quando os hlaos se tornam mais destacados. Uma das crateras favoritas onde se observar tal feição está localizada na porção extrema direita.
Mas o que realmente me chamou atenção nesta foto foram os Promontorium Agarum e Lavinium. Eles se destacaram sobremaneira transmitindo a perfeita sensação de serem montanhas que se erguem nas bordas de Mare Crisium.
Outras montanhas de destaque pode ser vista em toda a circunferência do Crisium e quero chamar atenção para o conjunto de montes situado acima de Lavinium e as montanhas esparsas a esquerda ao fundo de Agarum naquilo que é a borda leste do Crisium.
Fonte: LPOD/Cienctec
Adaptação: Avani Soares
Empilhados 122 frames in AS!2
Mosaico usando o iMerge
http://www.astrobin.com/full/130721/0/

Astroavani
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 419
Data de inscrição : 03/08/2012
Idade : 57
Localização : Canoas, RS

http://astroavani.no.comunidades.net/index.php

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 11 de 13 Anterior  1, 2, 3 ... 10, 11, 12, 13  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum