Um tutorial de um novato para processamento de astrofotografias

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

spica Um tutorial de um novato para processamento de astrofotografias

Mensagem  hellsbells em Ter 01 Dez 2015, 21:25

Muitos de nós têm tentado fazer uma imagem da lua, e muitos podem ficar desapontados.

Pode ser difícil obter o foco certo, se o vento está forte e a atmosfera não está

estável (coisa comum aqui em MCZ, onde moro hoje) a Lua pode ter foco de um lado e

não do outro. Ainda há a diferença de luminosidade quando ela não está na fase Cheia.

Muito esforço e o resultado pode ser bastante desencorajador.

Nos últimos tempos, tenho testado fluxos de trabalho de processamento que envolvem desde o

uso de um frame individual até o empilhamento um monte de imagens individuais em

softwares diversos. Porque a maior parte do ruído em uma única imagem é aleatória e,

se você empilhar um monte delas, a imagem permanece a mesma, enquanto o ruído fica,

via de regra, desaparece. De fato, eu li que a qualidade aumenta pela raiz quadrada

do número de imagens empilhadas. Empilhamento de 16 imagens do alvo vai resultar numa

qualidade mais elevada do que 4x de uma única imagem. Detalhes que são "perdidos no

ruído" serão mais facilmente visíveis.

Antes de começar, aqui está uma lista de programas que se usa neste fluxo de

trabalho. Algumas vezes, eu também uso o Photoshop para fazer o processamento final,

mas você pode usar o seu programa de processamento de imagem de escolha e alguns dos

passos podem ser diferentes. Também eu só uso o Windows 7.

1) PIPP (livre)
2) Autostakkert2 (gratuito)
3) Registax6 (livre)


Com isso fora do caminho .... aqui vamos nós!



A aquisição de imagens

Para obter o máximo detalhe que seria ótimo ter uma lente de distância focal,

rastreamento na lua, bom foco e tempo de exposição curto para minimizar qualquer

nervosismo e manchas. Se nenhum seguimento está disponível, então um tripé resistente

deve ser suficiente, desde que você pode obter exposições muito curtas (1 / 500s ou

mais curtos). Aumentar a ISO pode ajudá-lo a obter exposições mais curtas à custa de

maior ruído, mas que um aumento de ruído será compensado pelo processo de

empilhamento.

Para minimizar a vibração da câmara, um intervalometro ajuda. Definindo um atraso do

obturador vai ajudar também, se possível. Na maioria das vezes, eu tenho a minha

câmera conectada a um laptop e uso o utilitário EOS para programar uma série de fotos

sem ter que tocar a câmera. Se você usa uma Canon, o software (que você instala no

memory card da própria câmera) Magic Lantern é mais do que recomendado!

O enquadramento da Lua não é realmente importante. Se você tiver um tripé, tente

orientar a câmera para que consiga que a lua se mova o máximo dentro do campo de

visão da câmera. Em seguida, tente obter tantas imagens quanto você possa antes que a

Lua saia do FOV (sigla para Campo de Visão). Neste momento é bom aconselhar que não

se reposicione a câmara durante cada série, pois isso pode introduzir uma rotação de

imagem na mistura. Este processo de empilhamento pode lidar com o movimento da imagem

para a esquerda / direita / diagonal, mas não com rotação.

Para a exposição, começar com a exposição perfeita não é crítica. Uma coisa que eu

tento evitar é a super saturação das áreas brilhantes da Lua, porque nos resultados

de empilhamento em um arquivo de imagem de 16 bits, o brilho pode ser facilmente

ajustado no pós-processamento. É melhor fotografar em RAW, mas se isso não for

possível, fotografe no formato jpeg maior/melhor. Isto deve funcionar muito bem.



O PROCESSAMENTO

Conversão de imagem, centralização e recorte

Quando eu fiz meus primeiros teste, eu achava que devia converter minhas imagens RAW

para .tiff, cortá-las, e alinhá-las manualmente no Photoshop. Desde então, eu

descobri que o programa PIPP que faz tudo isso automaticamente. Muito agradável!

1. Abra PIPP e selecione que as imagens que você fez:
JOIN MODE deve ser selecionado. Se você escolher o modo BATCH nem tudo está perdido.

No modo batch cada imagem é reproduzida em pastas separadas (o que é uma dor no

S@c0). No modo JOIN todos eles estão armazenados na mesma pasta. Deixe as outras

opções desmarcadas.


2. Agora vamos passar para as INPUT OPTIONS:

Ative a opção "Debayer Raw image files". Eu testei isso com arquivos RAW Canon de uma

EOS600D, e o programa dever dar suporte a outras câmeras, mas eu não posso confirmar

isto. Se houver problemas, você pode converter seus arquivos RAW para .tiff e, em

seguida, carregá-los no PIPP. O resto das opções desta página não se aplicam, de modo

que eles podem ser ignorados. A qualquer momento você pode apertar o botão "Opções de

Teste"no canto superior direito para certificar-se de que as suas configurações estão

funcionando direito.


3. Agora clique na guia PROCESSING OPTIONS:

Aqui, nós vamos centralizar a imagem e, em seguida, cortar (cropar) a mesma. Marque a

opção "Enable Object Detection", e em seguida, acione "Centre Object in Each Frame".

Por fim, clique em "Enable cropping" e, em seguida, escolha uma largura e altura que

conterá a imagem da lua inteira. Você pode apertar o botão "Test Options" na parte

superior para confirmar que a imagem é centrada e é cortada corretamente.


4. Na guia OUTPUT OPTIONS, certifique-se de escolher .tiff como formato de saída.


5. Agora vá para a PROCESSING TAB e clique em "STAR PROCESSING":
Quando terminar, você deve ter uma série de imagens convertidas, centralizadas e

recortadas no formato .tiff.



O EMPILHAMENTO

Durante anos, Registax6 era O PROGRAMA para empilhamento mas, pelo que tenho lido, no

último par de anos, o programa Autostakkert2 ultrapassou o R6. AS2, é mais rápido,

pode lidar com imagens maiores, e eu tive menos problemas no processo de empilhamento

do que com R6. Mas, antes de abrir AS2, precisamos editar o arquivo autostakkert.ini:

Abra o arquivo no WordPad e altere o maxWidth e maxHeight para valores maiores do que

as imagens que você costuma empilhar.

Depois de mudar o arquivo ini, abrir AS2:

Para carregar arquivos, você terá de arrastar e soltar todos os seus arquivos .tiff

em qualquer lugar no aplicativo AS2. O painel de imagem à direita pode não mostrar a

imagem inteira, mas se você movê-lo para a esquerda, ele se expande para caber na

área na tela.

No IMAGE PANEL, você pode "folhear" as imagens carregadas usando o seletor ao lado de

"Frames" no topo da lista ou aperte o botão play. Desta forma, você pode ver as

variações entre as diferentes cenas (você vai se surpreender o quanto a lua pode ser

distorcida pela atmosfera!). As imagens devem ter sido alinhadas muito bem pelo PIPP

anteriormente, mas AS2 quer ter certeza de que as imagens são "estabilizadas" em

primeiro lugar. Para fazer isso, clique com o botão esquerdo do mouse sobre um

detalhe na lua. É interessante escolher uma área de alto contraste. O tamanho da

caixa verde pode ser alterado, utilizando as teclas de 1 a 9. Depois de escolher o

detalhe, aperte o botão "Analisar" no painel esquerdo.

O AS2 vai estabilizar e, em seguida, classificar as imagens de acordo com sua

"qualidade". Agora você precisará determinar quantas imagens que você quer empilhar.

Imagens nítidas terão uma classificação maior e mais borradas, menor. Após a análise

inicial o Image frame vai tê-los classificado por qualidade, você pode usar o

controle deslizante superior para visualizar as imagens e determinar o ponto de corte

que você deseja usar para empilhamento. Se todos as imagens parecem realmente bom, eu

entraria o mesmo número de frames no "STACK OPTIONS". Eu li que se costuma empilhar

um pouco menos do que todos eles, fica a seu critério.

Agora você precisa escolher alguns pontos de alinhamento. Para isso, vá para o IMAGE

PANEL de novo:

A melhor coisa a fazer aqui é escolher um tamanho de ponto de alinhamento

(normalmente entre 100 ou 150), escolha um brilho mínimo acima de 0 e, em seguida,

clique no botão "place APs in grid" . Se os APs estão nas regiões "black" ajuste o

brilho mínimo e clique novamente o mesmo botão. Se existem algumas áreas da lua que

você sente que precisar de um AP, você pode simplesmente dar clique no botão esquerdo

para colocar um lá. Depois que os APs são definidos, aperte o botão de "STACK".

O empilhamento foi relativamente rápido na minha máquina, com as configurações que eu

tenho, ele irá salvar a imagem empilhada em uma pasta onde as imagens estavam.

As duas coisas a notar aqui é que o ruído foi reduzido drasticamente, mas os detalhes

estão mais embaçados. A terceira coisa que você pode notar é que alguns dos detalhes

que foram "perdidos no ruído" estão aparecendo melhor. Agora precisamos "afiar" a

imagem para que possamos recuperar o detalhe perdido no empilhamento. Não se

preocupe, você não PERDEU o detalhe, ele está apenas um pouco escondido. Com um pouco

de "sharpening", ele vai facilmente ultrapassar a nitidez de um único frame.



AFIAÇÂO ou SHARPENING

Honestamente, neste momento, você pode parar de ler se você quiser.
Você pode levar a sua imagem guardada para o programa de pós-processamento de sua

escolha para fazer alguns ajustes de nitidez e pós-produção (PP) final e

provavelmente você vai ficar bem. Mas, eu gostaria de apresentar um método

alternativo de ajuste de nitidez que se usa, e dar-lhes algumas opções adicionais.


1) afiação no Registax6
Abra R6, e carregar a imagem empilhada. Você será levado para a aba "wavelets". Na

guia wavelets existem dois principais "filtros", DEFAULT e GAUSSIAN. Antes de eu

seguir, eu acho que eu deveria tentar explicar o que "ondas" são. Eu realmente não

descobri exatamente o que eles fazem, mas a melhor explicação que eu encontrei foi

esta:

É uma rotina de nitidez como o unsharp mask onde você pode aplicar diferentes níveis

de nitidez de uma vez. No filtro "Default", cada camada representa o "raio" de uma

máscara de nitidez, e a quantidade controles deslizantes. Camadas inferiores servem

para dar um "sharp" (aguçar) detalhes menores, enquanto as camadas mais altas

trabalham em características gerais. Para uma imagem da lua você provavelmente só

quer ajustar as primeira e segunda camadas, você provavelmente vai ter que brincar

com eles um pouco para se acostumar a eles.

No filtro "Gaussian", é mais complicado, mas lhe oferece mais flexibilidade. O ajuste

de nitidez, mais uma vez, é como o recurso de "raio" em uma máscara de nitidez, mas

aqui você pode alterar os valores. Há também uma configuração "denoise" que é como

adicionar um Gaussian Blur para ajudar a reduzir o ruído. Novamente, é uma caixa

preta e você tem que jogar com as configurações para encontrar algo que funciona.



PÓS-PROCESSAMENTO

Após acertar o "harpening", eu costumo ir para o Photoshop para alguns PP. Meu PP é

geralmente um bocado simples, que normalmente lida com alguma correção de cor, ajuste

de brilho/contraste, e às vezes eu aumento a saturação para trazer para fora a cor.
Para a correção de cor, eu costumo usar apenas a função Autocolor (Find light/dark

values) com o "snap neutral midtones" marcado.


Eu também gostaria de trazer um pouco de cor em minhas imagens da lua. Há cor lá, mas

ela está um pouco escondida. Você tem que aumentar a saturação um pouco. Eu costumo

usar 3 camadas de saturação no photoshop. A primeira aumenta a saturação de ~ 60%, a

segunda ~ 30, e a última ~ 15. Você tem que ter cuidado, porque o aumento da

saturação irá trazer para fora o ruído um pouco.

Acho que é isso, uma vez que isto está ficando um caminho muito longo. Sigo postando

minhas experiências no tópico "Diário de Bordo de HellsBells". Dê uma olhada lá.

Sempre tem uma "tentativa" nova!


PS: Este texto foi extraído da internet e adaptado segundo minhas experiências.

Sinta-se a vontade para sugerir quaisquer alterações e/ou correções.
avatar
hellsbells
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 68
Data de inscrição : 06/12/2014
Idade : 51
Localização : Maceió - AL

http://foxhole666.blogspot.com.br/

Voltar ao Topo Ir em baixo

spica Re: Um tutorial de um novato para processamento de astrofotografias

Mensagem  ZelvisCch em Dom 27 Dez 2015, 15:51

Estou meio perdido na explicação, apesar de ela parecer ser simples.

Eu vou filmar o objeto, como por exemplo, Júpiter.
A extensão do arquivo gerado pela minha câmera é o .MOV, essa extensão pode ser processada pelo software PIPP ou terei que converter para um outra extensão?

Minha câmera é bem simples, uma Canon modelo de entrada de 16 megapixels.
avatar
ZelvisCch
Astronomo Amador
Astronomo Amador

Mensagens : 571
Data de inscrição : 26/08/2015
Idade : 44
Localização : Ribeirão Preto - SP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum